Os Cinco Ateliers Experienciais

A Casa Amarela organizará o seu programa curricular com base em cinco ateliers psicopedagógicosde desenvolvimento. Estes ateliers respeitarão um princípio fundamental acerca de trabalhar com crianças: há que definir limites e criar rotinas que permitam à criança situar-se no espaço e no tempo e encontrar uma regularidade nos seus dias, mas há igualmente que não esquecer que o único dever de uma criança é brincar. Porque brincar é uma coisa muito séria. Foi a brincar com as nossas bonecas que nós aprendemos a ser mães “cuidadoras”. Foi a inventar duelos de espadas, que os pais outrora meninos, aprenderam a ser os heróis “fortes” lá de casa.

No Atelier de Música… trabalharemos a escuta, a atenção, a memorização e o ritmo. Mas, basicamente, este será o espaço onde se sente o prazer de ouvir melodias e de as repetir. A música é um dos estímulos que mais produz a sensação de felicidade nas crianças, e as sensações de felicidade, de que tudo está bem, sabe bem e ficará bem, é a melhor recordação que as crianças podem levar da sua infância. [Ler: A Importância do Afecto na Infância]

No Atelier da Linguagem… (Português, Inglês, Francês) aproveitaremos a extraordinária capacidade de aquisição de vocabulário que prevalece nesta idade e, através de tarefas, jogos, contos, histórias ou simples diálogos, iremos introduzindo os primeiros vocábulos da língua materna e das línguas inglesa e francesa.

No Atelier de Matemática… de uma forma informal e criativa, apresentaremos os primeiros conceitos matemáticos (conjuntos, seriação, outros) assim como os primeiros números transpondo o seu significado para a realidade.

No Atelier de Expressão Plástica… aproveitámos o facto de o desenho, a pintura e a modelagem serem dos modos mais privilegiados de expressão nas crianças, e imaginámos um espaço em que a fantasia dará as mãos à “Natureza”, às temáticas festivas e aos projectos de ligação à família.

No Atelier de Psicomotricidade e Expressão Dramáticaestimularemos as crianças a comunicar com o meio através do seu corpo, permitindo-lhes viverem novas experiências de comunicação, de cooperação, de percepção social, de comparação e de empatia. Como Schilling (1997) referiu: “O movimento é a primeira e mais importante forma de comunicação do futuro homem.”.

Para além destes ateliers teremos ainda dois momentos muito especiais: o momento da Jardinagem e o momento da Horticultura.

Até já.